sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Crítica: "As Aventuras de Tintim"

Eu não sabia bem como começar este texto. É um pouco difícil falar sobre um filme tão esperado, mas que finalmente chega às telas de todo o país. Foram anos sonhando com uma adaptação de Tintim para os cinemas, e de 2008 pra cá - quando nasceu este blog - cada notícia, por mais irrelevante que fosse, só aumentava a expectativa. Na última sexta-feira (e novamente na terça) eu finalmente pude matar minha curiosidade. Por mais que as imagens e vídeos divulgados contribuíssem para boas expectativas, eu ainda estava com um pé atrás.


Agora que tenho uma opinião mais ou menos definida, vou tentar falar aqui sobre tudo o que eu achei do filme. Como tenho muita coisa para dizer, talvez volte aqui para falar mais sobre o assunto. Fique à vontade para comentar, questionar ou criticar...

O filme é uma boa pedida para o público em geral. É evidente que os cineastas tinham o desejo de agradar aos fãs, por isso respeitaram muito do original. Mas para atrair um novo público, ideias novas precisaram ser acrescentadas, o que talvez desagrade aos fãs mais puristas. Eu me despi de qualquer preconceito e fui ver o filme ciente de que o objetivo não era copiar os álbuns para as telas e, com esse pensamento em mente, não me decepcionei.

Os créditos iniciais são excelentes, pois além do visual estilizado e da trilha sonora envolvente, fazem uma homenagem às mais diversas aventuras do repórter. Quando o filme propriamente dito começa, os fãs reconhecem de cara um personagem que não está nos álbuns, mas é o mais importante para a existência de Tintim. A primeira cena de rosto do protagonista é uma clara tentativa de comparar a versão digital com a original, como se o desenho feito à mão fosse a verdadeira cópia. O alívio chega quando eu vejo que aquilo funciona, e o Tintim de Spielberg não é um boneco de plástico com os olhos mortos, mas sim um jovem que poderia ser real, vivendo num mundo mais realístico impossível.

Assim como nos álbuns de Hergé, o filme não perde tempo com apresentações e a aventura começa logo nos primeiros minutos. É quando Tintim encontra uma das réplicas o Licorne, navio que dispensa apresentações para quem conhece a história. Os acontecimentos seguem o enredo do álbum quase de perto, mas uma ou outra cena é acrescentada para explicar melhor os fatos - como o porquê do navio ter caído e quebrado o mastro, e como Tintim ficou sabendo da história do Licorne antes de conhecer o Capitão Haddock.

A fusão das duas histórias principais ("O Caranguejo das Tenazes de Ouro" e "O Segredo do Licorne") é muito bem-feita. Elementos essenciais foram aproveitados, resultando em uma história que faz sentido, que poderia tranquilamente ter sido escrita por Hergé. Ideias que certamente passaram pela cabeça do autor, como dar um descendente ao pirata Rackham, foram colocadas em prática, mas algumas com certo exagero (os vidros à prova de balas que o digam). Outras ideias inéditas somaram muito ao roteiro, como a pista deixada por Barnabé para que seus algozes fossem encontrados, ou a relação do mordomo Nestor com o castelo de Moulinsart.

O Capitão Haddock ganhou mais profundidade. Os roteiristas optaram por uma versão mais parecida com a do álbum de estreia do personagem, "O Caranguejo das Tenazes de Ouro", em que ele passa a maior parte do tempo bêbado, ou com dificuldades para manter a sobriedade. O roteiro, na verdade, gira em torno do velho lobo do mar, que tem suas origens explicadas através da história de seu antepassado, o capitão do Licorne.

A cena da batalha entre o Licorne e os piratas é uma das mais fenomenais que o cinema já viu, ganhando de lavada dos quatro "Piratas do Caribe". A bem-coreografada luta entre Sir François e o pirata Rackham é uma maravilha de se ver, bem como as transições entre os flashbacks e a narração do Capitão Haddock no deserto e no posto de Afghar. Esta foi uma das minhas partes favoritas, e acredito que se tornará facilmente uma daquelas sequências memoráveis do cinema, como a pedra que rola atrás de Indiana Jones em "Os Caçadores da Arca Perdida".

Falando no arqueólogo, em alguns momentos não tem como não lembrar do personagem que levou Spielberg a conhecer Tintim. A cena da biblioteca, o movimento nas ruas da fictícia cidade marroquina, tudo tem um pouco das aventuras de Indy, outrora comparado ao repórter. A perseguição em Bagghar é outro espetáculo cinematográfico. Não está nos livros, mas é uma soma e tanto para a ação do filme. É impossível imaginar algo como aquilo sendo feito com atores reais. O resultado é estonteante.

O filme está recheado de easter-eggs, que deixam qualquer fã ansioso para assistir com o controle remoto em mãos e identificar cada um deles. Eu não vejo a hora! Tudo tem um clima de homenagem à obra de Hergé, desde os retratos de personagens dos álbuns no mercado de pulgas até as paredes do apartamento de Tintim, que estampam recortes de jornal contando as antigas aventuras do repórter. O whisky Loch Lomond está lá, o periódico Le Petit Vingtième está lá, e até uma referência ao clássico "Tubarão", também de Steven Spielberg, foi garantida.

No fim das contas, "As Aventuras de Tintim" atingiu as expectativas. Não foi uma adaptação ao pé-da-letra, como eu já imaginava, mas respeitou a essência da obra de Hergé. Com certeza uma ou outra cena que não está nos álbuns não faria falta no filme - em especial o confronto final - mas, como um todo, o resultado foi satisfatório. É uma ótima pedida como apresentação da série aos leigos, e funciona muito bem como início de uma franquia que, espero, não deve terminar tão cedo. O final deixa um bom gancho para uma continuação, mas só me traz uma tristeza: vai demorar para chegar.

:: Na próxima postagem falarei mais sobre os personagens.
:: Mande sua crítica para contato@tintimportintim.com e veja seu texto publicado aqui, no Tintim por Tintim.
Compartilhe:

21 comentários:

  1. Vou ver hoje!!!!!!, só espero não me decepcionar com a dublagem de Haddock

    ResponderExcluir
  2. A dublagem ainda é algo que eu pretendo comentar, mas pelo menos pra mim não decepcionou. Mauro Ramos está ótimo como o Capitão, e Oberdan Jr. bom como sempre na voz de Tintim!

    ResponderExcluir
  3. Gostei de algumas novidades que li...okay, spoilers, rs! Mas não me importo!

    Abs!

    ResponderExcluir
  4. Olá

    Muito bom o seu site e os seus comentários. É um filme sensacional! Segue abaixo o link da minha crítica no meu blog A Mosca Branca.
    http://amoscabranca.com/2012/01/18/critica-as-aventuras-de-tintim/

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente amei!! ouvi os comentários de um jornalista americano, como desconhecem o Tintim... acham antiquado, um personagem sem super poderes ou vida particular. Será que alguma criança quando lê uma historia em quadrinho ou via o filme pensava nisso?? É de perder o fôlego as tramas e encrencas dele, nunca precisou salvar a mocinha e casar com ela, ou usar uma super-arma-congeladora pra conquistar seus fãs.
    Muito pelo contrário! Tintim não atira nem mata absolutamente ninguém, nem esta tentando salvar o mundo. Tintim quer uma reportagem.
    Quem liga pra vida pessoas cenas de beijo ou armas alienígenas e não se interessa por cultura e arte (americanos) com certeza ainda estão se perguntando se o filme vai pegar nos EUA

    ResponderExcluir
  6. Sem exageros,como fã de animes e mangas,eu digo e direi sempre : Tintim é meu unico heroi,pois ele nao precisa de um beijo de uma garota ou um poder especial pra ser um heroi,pois ele tem TODOS os requisitos pra ser um heroi de verdade.
    E quanto aos americanos,deixa eles com seus "herois",pois eles sao acostumados a tipos "musculos" e dependentes de poderes.

    ResponderExcluir
  7. ÚNICO PONTO NEGATIVO É A AUSÊNCIA DO GRANDE BARDAVID DUBLANDO O CAPITÃO...

    ResponderExcluir
  8. Chegou hoje NERDCAST TINTIN

    http://jovemnerd.ig.com.br/nerdcast/nerdcast-293-tintim-o-macaco-e-o-herege/

    ResponderExcluir
  9. acabei de assistir. O filme ficou incrível.

    ResponderExcluir
  10. cara eu adorei o filme e olha q eu fui com um amigo q leu as primeiras revistas aqui no brasil e adorou, eu não vejo a hr d sair o filme para comprar

    ResponderExcluir
  11. Tenho 39 anos e sou fa do Tintin. Assisti o filme em 3D dia 19 e ficou incrivel. Minha unica bronca e que ninguem fala do hino do Tintin. Poxa, todo fa veterano do Tintin tem gravado o hino da abertura da serie. Por que nao esta no filme?

    ResponderExcluir
  12. Acabei de chegar do cinema e estou impressionado. Estava com medo de me decepcionar (como aconteceu no último Indiana Jones) mas saí do cinema empolgadíssimo! Nunca vi cenas de ação tão legais, aliás, há muito tempo eu não via um filme de ação tão bom!
    Cresci vendo Tintim na TV Cultura e achei que o filme foi bem fiel aos desenhos.

    Recomendo o filme a todos! Fãs do Tintim ou não. Meus amigos, que não são fãs das histórias (e de quem eu esperava várias críticas), saíram do cinema estonteados. Eles também amaram o filme.

    Spielberg se redime hoje pela decepção que foi Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal.

    ResponderExcluir
  13. O filme é uma maravilha mesmo, mas tive o azar de ir numa projecao 3D muito ruim. Tinha momentos que eu passava mal, de tao escuro e tonto que ficava. Saindo do cinema fiquei com uma vontade de ver o filme imediatamente numa projecao 2D mesmo.

    Sobre a trilha sonora, achei ótima, e o fato de nao ter aquela musica do desenho se deve ao fato de que o filme foi baseado no quadrinhos, e nao no desenho da tv, oque me agradou pq aquela musica nao chega nem aos pés dessa do john williams

    ResponderExcluir
  14. Não concordo com isso.
    Aquela abertura de Tintim é clássica, e mesmo o John Williams não conseguiu fazer algo tão nostálgico.
    O 3D do filme é absolutamente incrível.
    E o realismo dos personagens, então.
    Aprovadissimo o filme.

    ResponderExcluir
  15. Assisti ao filme hoje e, como uma real amante das aventuras de Tim Tim, adorei o filme, sabendo, é claro, que iria encontrar adaptação da obra.
    Agora, uma grande frustração minha foi não encontrar a música tema dos desenhos...
    Por acaso você sabe o por quê?

    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  16. A dublagem do capitão está EXCELENTE. Podem acreditar.

    ResponderExcluir
  17. Sobre a dublagem, não é que o Mauro tenha feito um trabalho ruim, a questão é que a galera acostumou com a voz do Bardavid e pronto ^^

    Quanto ao Oberdan, a voz tá um pouco mais adulta que na série de tv, mas nada que comprometa a sonoridade ;)

    ResponderExcluir
  18. O filme tem trilha sonora original de John Williams. Isso explica o motivo de não ter usado o tema clássico da série, de outro compositor. A ideia é criar uma nova franquia, não reciclar uma que já foi bem-sucedida.

    ResponderExcluir
  19. Que delícia de review >< senti exatamente tudo isso quando fui assistir.
    Fui assistir com meus pais e foi a primeira vez que eles viram um filme 3D ,me senti uma criançona de 25 anos, ali com os pais, vendo as Aventuras de Tintin, foi emocionante xD
    A versão dublada é boa afinal?
    Talvez eu assista uma terceira vez então =)

    ResponderExcluir
  20. Oie...
    Eu ja vi o filme, e sinceramente foi demai, depois que vi o filme começei a querer ver os desenhos, e tem razao tudo do filme tem um pouco das aventuras de Tintim em desenho, gostei muito do seu blog, vou passar a olhar mais, e adorei o Tintim, bjs ate!!

    ResponderExcluir
  21. Oie Fãs do Tintim, assim como eu. Já vi a serie de tv e o filme, sei lá qtas vezes e ele é de mais... e agora estou lendo os albuns e devo admitir que estou muito ansiosa para que saia mais filmes, minha inspiração de vida é na historia desse jornalista... não que eu vá ser uma, mas tem alguma coisa haver com muito aventura kk' ... parabens pelo trabalho do blog.. estou sempre conectada aqui para ver mais noticias .. flw

    ResponderExcluir

Fique à vontade para soltar o verbo, marujo!

Translate

Veja também

Veja também
Site oficial de Tintim

Arquivo TPT