sábado, 30 de janeiro de 2010

Quim e Filipe: 80 anos de travessuras

Bruxelas, 1930. Dois meninos, um moreno e um loirinho, correm pelas ruas do bairro de Marolles. Atrás deles está um típico policial belga, de capa preta e capacete. Os primeiros são Quim e Filipe - ou, na linguagem original, Quick et Flupke. O outro não tem nome revelado, mas é conhecido como Agente Nº 15.

Les Exploites de Quick et Flupke ("As façanhas de Quim e Filipe") começaram a ser publicadas em 23 de janeiro de 1930, no 4º número do suplemento infanto-juvenil Le Petit Vingtième. A dupla de moleques travessos foi criada por Hergé, pai de Tintim, e teve cerca de 310 episódios de duas páginas publicados semanalmente até 1940 - data da invasão dos alemães na Bélgica, quando o XXème foi cancelado. As peripécias dos gamins de Bruxelas também passaram pelas revistas Le Soir Jeunesse e Tintin.

Depois da Segunda Guerra Mundial, as HQs, originalmente em preto e branco, foram coloridas e compiladas em 11 álbuns, lançados de 1949 a 1969. Entre 1985 e 1991, depois da morte de Hergé - que abandonou a série para dedicar à sua obra mais lucrativa, Tintim -, as historinhas foram retocadas por Johan de Moor - filho de Bob de Moor - e relançadas em 12 volumes pela Casterman. O primeiro deles, "Haute Tension" (1985), foi concebido pelo próprio Johan, e não pelo verdadeiro pai dos persongens.

Em português, Quim e Filipe só apareceram em 1941, quando o Diabrete, revista infanto-juvenil de Portugal, começou a publicar suas aventuras traduzidas. Na época, as HQs eram conhecidas pelo título "Tropelias do Trovão e do Relâmpago". Só na década de 1980 surgiu o nome aportuguesado dos personagens, quando a Difusão Verbo lançou os 12 álbuns oficiais numa coleção intitulada 'Aventuras e Desventuras de Quim e Filipe'. Os álbuns foram re-editados em 2000, mas nunca chegaram a ser lançados no Brasil, onde os personagens são praticamente desconhecidos.

Tintim x Quim e Filipe

Diferentemente das grandes aventuras de Tintim, as curtas histórias de Quim e Filipe raramente são baseadas em mistérios, mas sim em gags simples que se estendem a cada duas páginas. Nesta série, as explorações de terras misteriosas e a busca de tesouros são substituídas pelo cotidiano dos garotos nas ruas de Bruxelas, mais precisamente no bairro de Marolles.

Outra diferença evidente entre esses dois mundos criados por Hergé é a estrutura básica de cada história. Enquanto em Tintim o herói tenta solucionar problemas e colocar as coisas em ordem, em Quim e Filipe a ideia é exatamente contrária, pois os próprios protagonistas causam a desordem, com suas brincadeiras e invenções desmioladas. Resta ao Agente nº 15 a função de restaurador da paz, na qual nem sempre é bem sucedido...

Curiosidades

.: Quim e Filipe fizeram curtas 'participações especiais' nos álbuns de Tintim. Em Tintim no Congo, os meninos aparecem logo no primeiro quadrinho, onde o repórter embarca no trem para a África. A cena pode ser vista em ambas as edições do álbum - a de 1931, em preto-e-branco, e a de 1946, colorida. Veja a imagem à direita.

.: Quim e Filipe também aparecem rapidamente em A Estrela Misteriosa, possivelmente em As 7 Bolas de Cristal (onde aprontam uma com o Capitão) e na contra-capa de edições antigas dos álbuns de Tintim, onde (aparentemente) estão prestes a atirar com um estilingue na garrafa de uísque do Capitão Haddock.

.: O nome do personagem Filipe, Flupke no original, vem do dialeto brabanção, e significa Filipito.

.: Assim como aconteceu no caso de "Tintim no País dos Sovietes", quando a aventura de "Tintim no Congo" foi concluída, o Petit XXème providenciou que um jovem se vestisse a caráter para encenar a chegada do repórter a Bruxelas. Em 9 de julho de 1931, enquanto Henry Dendoncker interpretava o repórter recém-chegado da África, dois meninos apareceram caracterizados como Quim e Filipe.

.: Veja abaixo uma aventura de Quim e Filipe traduzida para o português. Clique para ampliar as duas páginas da HQ "Programa Naval":

.: Assim como Tintim, Quim e Filipe também fizeram sucesso fora do papel. Apesar de não ter recebido tanta repercussão mundial como seu "irmão mais velho", a dupla foi estrela de uma série animada, produzida na década de 1980 com supervisão dos Estúdios Hergé. No total foram 260 episódios, cada um com um minuto de duração. Confira no vídeo a vinheta de abertura:

Com informações da Wikipedia e do site O Tintinofilo, de Portugal.
Compartilhe:

2 comentários:

  1. Muito bacana! Eu mesmo não conhecia tanto os personagens, mas acho que já vi um dos livros à venda numa sebo. Se achar de novo, vou comprar.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom saber mais sobre "os irmãos mais novos" de Tintim. E as curiosidades como sempre estão demais!
    Valeu Britto!

    ResponderExcluir

Fique à vontade para soltar o verbo, marujo!

Translate

Veja também

Veja também
Site oficial de Tintim

Arquivo TPT