quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Steven Spielberg revela segredos da adaptação cinematográfica de Tintim

O jornal Le Monde, da França, trouxe nesta quinta-feira, 3 de dezembro, uma edição especial, onde o diretor e produtor americano Steven Spielberg fala sobre o projeto de levar Tintim ao cinema. As Aventuras de Tintim - O Segredo do Licorne, o primeiro de uma trilogia baseada na obra de Hergé, deve chegar em outubro de 2011 nos cinemas brasileiros e europeus.
Spielberg conta que foi graças a Indiana Jones que ele descobriu Tintim, um herói pouco conhecido nos Estados Unidos. "Em 1981, eu li uma crítica de 'Os Caçadores da Arca Perdida' que comparava meu filme a um tal de Tintim", diz o diretor. "Eu não entendi! (...) Então providenciei um dos álbuns de Tintim e aí pensei: "Agora eu entendo!"

Spielberg leu primeiro O Caranguejo das Tenazes de Ouro e, imediatamente, ficou impressionado: "Eu não entendo francês, mas eu entendi tudo o que a história contava. Quando eu li a tradução inglesa, já compreendia o humor, o que diz muito sobre a força de sua arte! E é exatamente isso o que Peter Jackson e eu queremos homenagear com os nossos filmes sobre Tintim".

No começo de 1983, Spielberg entrou em contato com Hergé por telefone, e este, que tinha visto Indiana Jones, ficou convencido de que Spielberg seria o melhor cineasta para transferir sua obra para a telona. Mas infelizmente Hergé morreu poucas semanas depois, em 3 de março de 1983, e o projeto foi por água abaixo.

Em 2002, por meio da DreamWorks, seu estúdio, Spielberg adquiriu os direitos de todos os álbuns de Tintim. A trama do primeiro filme combina duas [?] aventuras, O Segredo do Licorne e O Caranguejo das Tenazes de Ouro. Haddock aparece pela primeira vez em 'O Caranguejo': "Peter Jackson e eu concluímos que não deveríamos apresentar o Capitão Haddock ao mundo ao mesmo tempo que Tintm".

O cineasta sabe que será cobrado pelos fãs sobre como adaptará o repórter e seu universo no filme. Além disso, uma razão para que ele desistir do projeto, no início dos anos 1980, foi o "pelo medo da caracterização dos atores". O medo também descrever "um mundo que não existe".

Nada de cortar o topete!

Encontrar atores que parecessem com Tintim não seria fácil. Mas o tempo passou e a tecnologia digital ofereceu uma nova possibilidade: os personagens podem ser uma mistura de desenhos e atores em carne e osso. Com a técnica de captura de movimentos, os atores não precisaram de cenários ou figurinos, apenas de sensores presos no corpo para registrar seus movimentos. Depois dessa parte, que já foi concluída por Spielberg, começou um trabalho que levará quase dois anos: digitalizar cada quadro e trazer para a tela a estéticaa das HQs - as características dos rostos, roupas, objetos, etc. Conforme disse o disse o diretor, em 2007, serão "pessoas reais, mas na visão de Hergé".

"Peter Jackson e eu temos a oportunidade para homenagear a arte de Hergé, seu tom, sua paleta de cores, seus personagens", afirma Spielberg. Ele nega que tenha planejado pôr fim ao famoso topete Tintim, como foi dito em certa época. E acrescenta: "A linguagem corporal é muito importante. Está fora de questão tocar [no topete de Tintim]. Nós respeitamos religiosamente a arte de Hergé".

Spielberg confessa que dirigir o filme foi uma experiências "mais divertidas" de sua vida. Mas ele afirma que não se identifica tanto com Tintim. "Eu não tenho a tenacidade dele. Não consigo me concentrar em uma coisa só, porque eu tenho uma família numerosa, e um grande estúdio para gerir. (...) Eu me sinto mais como o Milu".
Agradecimentos ao site Objectif Tintin.
Compartilhe:

4 comentários:

  1. Tenho certeza que se retirassem o topete de Tintim ele não seria Tintim. Trata-se de uma "marca registrada". É a mesma coisa que tirar o chapéu do Indiana Jones,a trança da Lara Croft ou o smoking do James Bond....
    Muito interessante está matéria.
    Britto, eu lhe fasso uma pergunta?
    Em 2011 teremos o filme do Tintim,e haverá também um game estrelado por ele ou não. Já joguei todos os games anteriores e gostaria de saber sobre isso.
    Será que você poderia postar um comentário ou uma matéria respondendo minha pergunta?
    Infelizmente ainda não tenho e-mail...
    Valeu!

    ResponderExcluir
  2. Concordo sobre o topete, Guilherme!
    Quanto ao especial sobre games (você é o GHR?) está na lista de prioridades, mas ainda tenho alguns itens à frente. Não se preocupe pois uma hora chegará! ;^)

    ResponderExcluir
  3. Isso mesmo, desculpe por me apresentar agora... Vou ver se crio uma conta de e-mail para conversarmos melhor... Só queria lhe falar uma coisa: Ouve uma versão do Tintin no Congo em preto e branco que não existe em português e eu estou traduzindo... Se quiser para colocar em SEU blog é só me avisar. (Eu estou ponhando em meu blog o "dtudopouco.wordpress.com", na categoria LIVROS, se quiser dar uma olhada lá - não estranhe a aparencia do blog por que está em construção.)
    Se quiser, faça um comentário, por favor.
    Tchau!

    ResponderExcluir
  4. Saudações lusitanas!

    Podem ver aqui:

    http://cinecartaz.publico.pt/noticias.asp?id=247162

    um artigo publicado num site português...!

    Abraços "tintinófilos"!

    ResponderExcluir

Fique à vontade para soltar o verbo, marujo!

Translate

Veja também

Veja também
Site oficial de Tintim

Arquivo TPT