sábado, 18 de julho de 2009

Steven Spielberg fala sobre Tintim no cinema

No finalzinho de junho, Steven Spielberg deu uma entrevista ao site francês Le Figaro, onde comentou seus futuros projetos, e, é claro, a adaptação de Tintim para os cinemas. Entre outras coisas, o diretor de The Adventures of Tintin: Secret of The Unicorn falou sobre o encontro que teria com Hergé e o motivo de não fazer um longa de Tintim com atores reais. Ele ainda desconversa quando questionao sobre o terceiro filme... Confira a parte da entrevista que nos interessa:

La Figaro: Você acabou de gravar a primeira parte das aventuras de Tintim. Pode nos lembrar a origem deste projeto?
Steven Spielberg: Em 1981, quando foi lançado Os Caçadores da Arca Perdida, li uma crítica que mencionava a semelhança do filme com o tom das aventuras de Tintim, que eu nunca tinha ouvido falar até então. Mandei meu assistente fazer uma busca e ele retornou com cinco álbuns, incluindo O Segredo do Licorne. Eles estavam em francês, mas eu entendi todos apenas através dos desenhos, que achei absolutamente geniais. Eu mostrei à [produtora] Kathleen Kennedy , que também ficou tão animada quanto eu.

Alguma vez você encontrou Hergé?
Eu liguei para ele em 1983, enquanto estava rodando Indiana Jones e o Templo da Perdição em Londres. Então ele me convidou para ir até seu estúdio na Bélgica ver os seus arquivos, mas morreu alguns dias antes de nosso encontro. Uma semana após seu funeral, fomos ver sua viúva, Fanny. Ela queria discutir o nosso interesse pela obra de seu marido. Foi aí que assinamos o acordo para um dia trazer as aventuras de Tintin às telas do cinema. E, como muitos dos meus projetos, este levou muitos anos para dar certo...

Em que estado de espírito você estava no primeiro dia de filmagem de "Secret of the Unicorn", no último 26 de janeiro?
O mesmo que para qualquer outro dos meus filmes. Como sempre, a equipe se reuniu e fizemos um brinde para uma filmagem bem sucedida e sem acidentes. Foi tudo. Nada de complicado ou filosófico: só a esperança de fazer um bom filme.

Só que desta vez você gravou por trinta e dois dias em motion-capture, tecnologia inédita para você...
Para homenagear a obra de Hergé e seu universo único, achei que não deveria fazer um filme em live action altamente estilizado, com atores usando o tipo de caracterização presente em Les Oranges Bleues e La Toison D'or, mas sim adotar uma tecnologia de animação que permite a maior semelhança possível com os desenhos originais. Daí a escolha de um filme em captura de movimentos. Esta experiência representou um desafio interessante, porque eu tinha realmente que entender como um diretor tradicional como eu poderia continuar através deste meio, que é tudo menos tradicional. Eu nunca trabalhei em um espaço virtual, sem cenário. Os atores estão lá, e desempenham seu papel, mas os acessórios são reduzidos a meros filho de ferro, sendo todo o resto do acrescentado numa fase posterior, pelos animadores. Com Tintim, tive que adaptar minha filosofia, reavaliar minha gramática de cinema, mudar minha abordagem com as colocações desenvolvidas continuamente. A primeira semana foi difícil, então estou feito, depois de desenvolver minhas próprias brânquias para respirar quando submerso!

Como é a parceria com Peter Jackson, cuja empresa Weta está a cargo dos efeitos especiais do filme, que exigirão dezoito meses de trabalho?

Esta é a primeira vez que eu trabalho tão estreitamente e em total harmonia com outro cineasta. Mesmo se estivesse na Nova Zelândia, Peter estava literalmente presente todos os dias, graças à nossa video-conferência via internet. Depois de cada tomada, eu poderia lhe perguntar o que pensava. Às vezes ele me propunha alguns ajustes com os atores, então logo eu lhes avisava.

Na sequência, Peter Jackson dirigirá "O Tesouro de Rackham, o Terrível". E depois? Vocês anunciaram uma trilogia: que aventura vão adaptar?
É um segredo... Só posso dizer que provavelmente co-dirigiremos.

Para ver a entrevista completa (em francês), onde o diretor e produtor de 62 anos fala sobre Tintim, Transformers 2, e outros sucessos da carreira, clique aqui.

Lembrando primeiro longa de Tintim dirigido por Steven Spielberg será baseado nos álbuns O Caranguejo das Tenazes de Ouro e O Segredo do Licorne. A estreia no Brasil está marcada para outubro de 2011. Até lá você acompanha todas as notícias aqui, no blog brasileiro dedicado a Tintim.
Compartilhe:

2 comentários:

  1. Muito bacana essa entrevista.
    É uma pena o Steven Spielberg não ter se encontrado com o Hergé, antes deste falecer...

    Às vezes acho que um filme em live action também poderia ser legal, pois hoje em dia a tecnologia é muito avançada e eles conseguem efeitos fantásticos que lembram animações, mesmo com atores reais (em nada parecido com os filmes antigos do Tintim em live action).

    Mas a captura de movimentos também é ótima e com certeza vai ser demais! VALEU!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo aniversário do blog! Ele é um presente para os fãs brasileiros de Tintim.

    Estou confiante que vem coisa boa por aí!
    No começo tinha minhas dúvidas, principalmente por não conhecer muito essa tecnologia. Mas acho que Spielberg não deve decepcionar...

    ResponderExcluir

Fique à vontade para soltar o verbo, marujo!

Translate

Veja também

Veja também
Site oficial de Tintim

Arquivo TPT