COLEÇÃO DE FIGURAS DE TINTIM FINALMENTE NO BRASIL

Todos os detalhes do lançamento da Planeta DeAgostini

ÁLBUNS DE TINTIM EM PRETO-E-BRANCO CHEGAM AO BRASIL

Globo Livros lança réplicas das versões originais de Tintim

ESCUTE AQUI!

Série inédita baseada em "O Lótus Azul" é transmitida no rádio

PELA PRIMEIRA VEZ EM CORES

Veja a capa da nova edição de "No País dos Sovietes"

AS ATADURAS DE TINTIN

Infográfico reúne todas as pancadas que Tintim já levou

TPT ENTREVISTA ISAAC BARDAVID

Assista o bate-papo com o dublador do Capitão Haddock

TPT ENTREVISTA O PRIMEIRO TINTIM DO CINEMA

Jean-Pierre Talbot fala tudo sobre os únicos filmes de Tintim com atores reais

70 ANOS DO JOURNAL TINTIN

Publicações e eventos marcam o aniversário da revista

TPT ENTREVISTA O DUBLADOR DE TINTIM

Oberdan Jr conversa com o blog em vídeo de duas partes. Confira!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Curiosidade

Foi exibido hoje, na TV Globinho, um episódio inédito de "Os Simpsons" onde Tintim e Milu fazem uma "participação especial".

Enquanto Lisa está numa loja de quadrinhos, se depara com os álbuns de Asterix e Tintim, abre o álbum "Tintim em Paris" (que não existe na realidade) e podemos ver o personagem e seu cãozinho em ação. Só não gostei que na dublagem esqueceram de traduzir o nome de Milu, e ele foi chamado pelo amigo de Snowy mesmo...

O video pode ser visto no link abaixo:
Compartilhe:

Peter Jackson na direção do primeiro filme?

Hergé Studios diz que Jackson poderia substituir Spielberg na direção de Tintim...

Como já sabemos, Steven Spielberg será o diretor do primeiro filme baseado nas aventuras de Tintim, e Peter Jackson comandará o segundo.

Mas nesta terça-feira ocorreu uma confusão com os nomes envolvidos na direção. O Hollywood Reporter soltou uma notícia onde um porta-voz do Hergé Studios da Bélgica (detentor dos direitos sobre Tintim) dizia que Jackson, e não Spielberg, ficaria responsável pela direção do primeiro filme da trilogia.

A mesma publicação desmentiu em seguida a informação. O HR foi procurar os representantes de Spielberg e Jackson, que confirmaram aquilo que já sabíamos: o primeiro Tintim será o próximo filme dirigido por Spielberg (depois de Indiana Jones 4), e produzido por Jackson, que tomará a direção do segundo filme da trilogia (depois de terminar The Lovely Bones e de trabalhar no roteiro de O Hobbit).

O primeiro álbum a ser adaptado para a telona, ainda com roteiro de Steven Moffat (agora em Doctor Who), será O Segredo do Licorne. Acreditava-se antes que outro álbum, O Tesouro de Rackham, o Terrível, seria o material de outro filme, mas o Hollywood Reporter diz que as duas HQs podem ser encaixadas já no primeiro longa, que terá Thomas Sangster como Tintim e Andy Serkis vivendo o Capitão Haddock.

Fonte: Omelete.
Compartilhe:

domingo, 24 de agosto de 2008

Nota importante sobre o box

O leitor George postou ontem num comentário um assunto que vale a pena ser considerado!

De acordo com um comentário feito no Orkut, um comprador do box com as três temporadas completas da série se mostrou insatisfeito com a "desordem" presente nos DVDs. Segundo ele, "a ordem dos episódios não corresponde a ordem cronológica da série".

Antes de qualquer coisa queremos alertar aos tintinófilos que não desistam precipitadamente de comprar seus DVDs achando que este é um erro grave, para isso considere um fator importante: a ordem dos episódios da série de TV não corresponde à ordem em que foram publicados os álbuns!

É claro que houve um erro - mas não foi da Log On, e nem de quem organizou os capítulos animados nos discos, mas sim dos produtores, ou organizadores, da série. Isso porque a cronologia não foi respeitada, e conforme ressaltado no comentário, alguns episódios em que Tintim nem conhecia o Capitão Haddock ficam espalhados entre outros em que o marujo aparece!

Ou seja, os DVDs da Log On, pelo menos nesse sentido, estão impecáveis! E podemos lembrar que essa questão nunca foi um impecílio para os apreciadores do desenho animado, muito menos dos álbuns. O que interessa é que a ordem original da série de TV foi mantida e poderemos ver em casa todos os episódios das aventuras de nosso herói.
Compartilhe:

Tintim "pervertido"

O polêmico livro espanhol O Lótus Rosa, que revoltou os herdeiros de Hergé, retrata o personagem Tintin como um paparazzo desiludido que finalmente perde a virgindade

O mundo de Tintin veio abaixo. Milu, seu valente fox terrier branco, está morto. O Capitão Haddock entregou-se ao jogo e à bebida. Diante do futuro desolador, sem as aventuras de outrora, Tintin se transforma em fotógrafo de celebridades e começa a se relacionar com mulheres. Este é o futuro do personagem belga imaginado pelo autor espanhol Antonio Altarriba. A história é parte integrante do livro O Lótus Rosa, publicado em dezembro passado para homenagear o centenário de nascimento de George Remis, nome verdadeiro de Hergé (1907-1983), criador do personagem. Mas o realismo quase apocalíptico de Altarriba desagradou a Sociedade Moulinsart, que reúne os herdeiros de Hergé. O livro teria "pervertido a essência do personagem", segundo os detentores dos direitos autorais da série, e virou alvo de uma disputa judicial.

Em fevereiro, a Sociedade Moulinsart pediu que os distribuidores retirassem das prateleiras a primeira edição de O Lótus Rosa, de 1,5 mil exemplares. Os advogados da editora Edicions de Ponent conseguiram impedir o recolhimento dos livros. A batalha judicial terminou num acordo. A Moulinsart admitiu que não havia delito na obra, e a editora comprometeu-se a não relançar o livro, que ficará nas prateleiras européias até o esgotamento da única edição. A Companhia das Letras, que também edita as aventuras de Tintin, não publicou O Lótus Rosa no Brasil. Nem poderá fazê-lo. (...)

Em entrevista a ÉPOCA, Antonio Altarriba, escritor e professor de literatura francesa da Universidade do País Basco, comentou a reação dos herdeiros de Hergé e descreveu o futuro cruel que reservou para o novo Tintin.

ÉPOCA - Como você retratou o futuro de Tintin?
Antonio Altarriba - A história se passa em 1995. Tintin saiu do mundo intenso e vibrante da aventura e caiu num estado de desânimo e ceticismo. Hergé está morto e Tintin perde o dom da eterna juventude. Ele envelhece. Eu apresento um herói de 30 anos que aterrissa num mundo que não obedece a valores. Esse Tintin está desenganado, vai ao psiquiatra porque padece da síndrome do protagonismo perdido. Seu mundo veio abaixo. Capitão Haddock virou alcoólatra. Professor Girassol está internado num sanatório psiquiátrico. E o pior de tudo: Milu, seu companheiro de aventuras, está morto.

ÉPOCA - Por que os herdeiros de Hergé disseram que você transformou Tintin num pervertido?
Altarriba
- Eles exageraram. Eu apenas o coloquei em outro contexto. A parte erótica, que criou toda a polêmica, aparece em no máximo vinte ou trinta linhas. A aventura acontece em um cruzeiro entre Nova York e Londres. O navio está cheio de artistas de Hollywood como Matt Dillon, Arnold Schwarzenegger e Jack Nicholson. Entre as celebridades está a atriz Catherine Deneuve, a mulher com quem Tintin se inicia no sexo, dentro do barco. São pequenos parágrafos dentro de uma história de vinte e poucas páginas, com ilustrações que não mostram ninguém sem roupa. O jornal inglês The Guardian disse que fiz uma versão pornográfica do Tintin, e isso está errado.


ÉPOCA - Você quis colocar os valores idealistas de Tintin à prova?
Altarriba
- Eu quis explorar duas questões intrigantes da série: a eterna juventude e a sexualidade. A única figura feminina da série é a cantora Castafiore, que não representa a mulher de maneira completa. Ou tratamos desses temas de maneira teórica, ou de maneira criativa, como fiz. O personagem só atinge uma certa profundidade quando entra em conflito. É uma ficção com realismo. Ele também se vê obrigado a retornar ao trabalho de repórter. Mas só consegue trabalho como paparazzo porque essa é a nova realidade do mercado.


ÉPOCA - Você transformou o Capitão Haddock num louco por jogo que não desgruda de uma garrafa de bebida?
Altarriba -
Essa é minha hipótese. O Capitão Haddock sempre teve uma inclinação para o álcool. Ele adora uísque, e isso já está na obra de Hergé. A única coisa que fiz foi exagerar essa tendência. Quando ele se afasta das aventuras, passa a gastar tudo em jogo e bebida. Tem de hipotecar o castelo de Moulinsart e todo seu patrimônio. Tintin ainda recebe algumas notícias de Haddock. Ele termina a história vagando bêbado pelas ruas de Bruxelas.

ÉPOCA - As disputas judiciais trouxeram dor de cabeça?
Altarriba
- Eu comecei a ter problemas pouco tempo depois do lançamento da obra, em dezembro do ano passado. A Sociedade Moulinsart agiu de maneira bastante irregular. Eles não falaram comigo nem com meu editor. Fizeram pressão sobre os distribuidores para que retirassem os livros das prateleiras. A FNAC começou a retirar os livros, mas a reação dos advogados da editora foi rápida. Eles não tinham nenhum amparo judicial para isso. Aí começaram problemas maiores. Minha editora é pequena, e perderia muito dinheiro batalhando contra a Moulinsart. Fizemos um acordo. O livro será vendido até que se esgote a primeira edição, de 1.500 exemplares, e não haverá reedição.

ÉPOCA - Outros escritores e desenhistas também imaginaram um futuro obscuro para personagens como Batman e Super-Homem. O herói deve mudar com o tempo?
Altarriba
- Esse é um exercício criativo não só do mundo dos quadrinhos. Escritores, pintores, cineastas trocam referências constantemente e as atualizam. Existe uma cumplicidade cultural entre todos. Eu apenas interpretei e reinterpretei Tintin. Isso a Sociedade Moulinsart não pode controlar. Eles não podem dizer como devemos ver Tintin. Isso é excesso de zelo de gente que quer controlar o personagem, por razões econômicas e ideológicas. Eles pensam que Tintin pode obedecer a um esquema fixo, e já interferiram no trabalho de muitos outros autores.


ÉPOCA - O Lótus Rosa pode se transformar num cult depois de toda a polêmica?
Altarriba
- Não sei se o livro virará obra de culto, mas certamente será muito procurado. É a lei de oferta e demanda. O livro está condenado a 1.500 exemplares e não será reeditado. Vai virar coisa de colecionador.

Matéria de Andres Vera para a revista ÉPOCA, em 21/08/08
Compartilhe:

sábado, 16 de agosto de 2008

Milu, o fiel companheiro

Este é certamente o personagem secundário que mais dá as caras - se bem que pode ser também considerado um protagonista... Milu está tão intimamente ligado a Tintim, que por muitos anos a série foi era conhecida como "As Aventuras de Tintim e Milu".

O cachorrinho branco da raça fox-terrier surgiu em 1929, no álbum Tintim no País dos Sovietes, e desde então continua ao lado do repórter em todas as suas aventuras, sem exceção.
Milu apresenta natureza bastante humana, mas não deixa suas características caninas de lado. Como todo animal de estimação, gosta de brincar, mas também não "abre mão" de uma aventura! Com a boa intuição e olfato aguçado - próprio da sua espécie - consegue diversas vezes ajudar o dono a solucionar casos e encontrar pistas, mesmo que por acaso - como em O Caranguejo das Tenazes de Ouro, onde ele descobre a lata de caranguejo...
Como todos os cães, ele gosta de um bom osso - e de carne de frango -, só que chega a ser guloso, o que às vezes pode levá-lo a problemas complicados. Outro vício é seu gosto por álcool, especialmente o uísque escocês "Loch Lomond" - mas também não deixaria passar um rum ou champanhe...

Muitas vezes adversários de Tintim tentaram eliminá-lo, e talvez por isso o cachorro tem uma relação difícil com alguns humanos - o que é diferente com as crianças, por quem tem grande simpatia.
Sua relação com outros animais é igualmente complicada. Atacado continuamente por búfalos, cabras, condores, caranguejos, crocodilos, ouriços, vacas, papagaios e outras feras, Milu acaba se distanciando dos outros seres irracionais. E como se não bastasse, o coitado manifesta uma fobia por aranhas!
Isso muda (pouquíssimo) no castelo de Moulinsart, quando de início ele tem relações tensas com um gato do Capitão Haddock, para finalmente tornar-se seu companheiro inseparável...

Diferente da série de TV, Milu aparece falando nos álbuns, como que por meio de uma consciência, ou senso crítico. Mas quem acompanha a obra de Hergé já deve ter notado que, com o passar dos tempos, Milu foi perdendo esse "dom", e se tornou "apenas um cachorro", com função cômica nas histórias. O motivo foi a chegada do Capitão Haddock, que tomou o posto de "escudeiro" de Tintim e dono dos "comentários críticos", antes de certa forma pertencente a Milu. Mas independente disso, o cãozinho branco sempre teve e terá espaço toda vez que se falar em Tintim!

Curiosidade:

O nome Milou (em francês) foi originado de "Malou", contração do nome da primeira namorada de Hergé, Marie-Louise. Mas vale ressaltar que o cachorrinho sempre foi apresentado como sendo do sexo masculino.

Milu no mundo:
Saiba agora como é o nome do personagem em alguns lugares ao redor do globo:

Africâner - Spokie
Alemão - Struppie
Árabe - Milou
Catalão - Milú
Checo - Spunt
Dinamarquês - Terry
Eslovaco - Snow
Espanhol - Milú
Francês - Milou
Galego - Milú
Grego - Milou
Hebraico - Zahi
Húngaro - Milu
Indonésio - Snowy
Inglês - Snowy
Islandês - Tobby
Italiano - Milù
Japonês - Snowy
Latim - Milúlus
Luxemburguês - Milou
Neerlandês - Bobbie
Norueguês - Terry
Persa - Milou
Polonês - Milus
Sueco - Milou
Turco - Milu
Vietnamita - Milou




Fonte: Free-Tintin; Wikipedia
Texto: Pedro Britto
Compartilhe:

Os Coadjuvantes


Em breve, você vai conhecer um pouco mais sobre os personagens principais e secundários das Aventuras de Tintim. Aguarde...

Descubra detalhes e curiosidades sobre:

Milu
Capitão Haddock
Professor Girassol
Bianca Castafiore
Dupond e Dupont
Tchang

e muitos outros...


Aproveite para votar na enquete: qual seu personagem favorito das "Aventuras de Tintim"?!
Compartilhe:

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Criando um Álbum


O processo de criação de uma história em quadrinhos é bastante complexo e varia muito de um autor para o outro. No caso de Hergé, se tratava de uma progressão bastante metódica. Além disso, nos últimos anos ele se beneficiou muito da ajuda de seus colaboradores do Estudios Hergé, especialmente de Bob de Moor.

Conheça agora um pouco do passo-a-passo na confecção de uma história:

Distribuição Gráfica

O primeiro passo consiste em encontrar um cenário, o mais simples possível, onde situar os limites espaciais da história. O próximo passo é desenvolver e enriquecer esse cenário. Nessa etapa, Hergé desenha de forma esquemática o encadeamento das vinhetas assegurando-se de colocar um símbolo similar ao de um pentagrama ao final de cada página. As figuras e os personagens são desenhados rapidamente, sem ambientação. Nesta etapa a história toma forma.

Esboço a Lápis

Realizada a distribuição (podia haver dezenas de projetos), Hergé passava para o lápis. Utilizava para este fim folhas de 30x40 cm. Era neste momento que começava realmente a tarefa de desenhar. Com frequência, ele pedia a seus colaboradores que trouxessem um esboço da pose que queria dar a seu personagem, sempre com a preocupação pela veracidade com que é conhecido. Finalmente, quando todo o processo do lápis terminava, fazia uma cópia de todos os desenhos, escolhendo o traço que melhor convinha e aproveitava a ocasião para voltar a enquadrar todos os elementos. Após ter feito isso, copiava os desenhos em uma folha de papel limpa.

Passando a limpo

A folha a lápis obtida incluía todos os personagens, mas a decoração e ambientação estavam apenas ligeiramente delineadas. Nesse momento, os colaboradores de Hergé entravam no jogo e se encarregavam de desenhar veículos, paisagens, uniformes, etc., respeitando sempre que possível o estilo real. Mais uma vez, era exigida veracidade. Hergé e seus colaboradores não hesitavam em ir para os lugares reais da cena para tirar fotografias e esboços. Quando tudo era concluído, se preparava a folha para ser posta a limpo, com tinta e nanquim. Entretanto, os diálogos eram revisados e corrigidos e o número de letras e sinais contados. Depois de uma verificação final, as folhas eram enviadas para a fotografia.

Cor e Diálogos

Pouco tempo depois, o estúdio recebia uma série de provas fotográficas do formato da publicação. As que eram destinadas para coloração estavam feitas em tom azul-cinza, acompanhadas de um negativo do filme em preto e branco. O processo de coloração era realizado pelos colaboradores de Hergé, que utilizavam, dependendo do caso, aquarela ou outro tipo de pintura. Um traço característico de Hergé eram as cores lisas, sem gamas ou sobras, o que - segundo ele - dava mais clareza e eficiência. Quanto aos diálogos, eram desenhados por um especialista de acordo com um ensaio especial em cada uma das traduções estrangeiras. As onomatopéias, geralmente, eram desenhadas por um de seus ajudantes.

O Resultado Final

Terminado o trabalho, as provas eram enviadas para a fotografia, que combinava o traço em preto com a lâmina colorida e os diálogos. Agora só faltava pôr as rotativas a funcionar e distribuir os álbuns recém impressos para todos os cantos do mundo.




Fonte: Free-Tintin
Tradução: Pedro Britto.
Compartilhe:

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Tintin nos Cinemas

Desde que Tintim começou a se popularizar, surgiu a idéia de levar suas aventuras para a telona. Infelizmente, as tentativas que os tintinófilos têm visto até agora só os fizeram apreciar ainda mais os álbuns... Conheça um pouco desses trabalhos, que não deixam de ser bons testemunhos sobre a criação de Hergé.

As Estreias Duvidosas

Em 1947, os cineastas belgas João B. Michiels e Claude Misonne fizeram um filme inspirado em O Caranguejo das Tenazes de Ouro com bonecos animados em stop-motion (imagem-por-imagem). Não se pode deixar de dizer que os resultados não foram muto convincentes...

Mas foi apenas no final dos anos 50 surgiu a idéia de fazer os filmes com atores reais.

Filmes em live-action

Foi numa praia de Ostende que uma amiga de Hergé descobriu aquele que viveria Tintim na telona: Jean-Pierre Talbot. Apesar do relativo sucesso nos cinemas, os dois longas infelizmente não entraram para a história...

O primeiro filme, Le Mystère de la Toison d'Or (O Mistério do Tosão de Ouro) é de 1961. Um velho amigo de Haddock, Temistocles Paparanic, morre e lhe deixa o seu navio "Tosão de Ouro". Em Istambul, Turquia, ele descobre que é só um barco velho num estado mais que lamentável. Porém, um certo Anton Karabine lhe oferece 600 mil libras em troca do navio. Intrigados por tanto interesse, Tintim e Haddock seguem as pistas e descobrem que, nos anos anteriores, Paparanic e sua tripulação tinham dado um golpe de estado na Tetaragua, América Latina, tomando o poder durante três dias e escapando com o ouro do banco central. O tesouro será finalmente encontrado... onde eles menos esperavam!


O segundo longa, Tintin et les oranges bleues (Tintim e as Laranjas Azuis), foi rodado em 1964. O Professor Girassol acaba de publicar um livro sobre a fome no mundo e lança um apelo aos sábios do mundo para que o ajudem a combatê-la. Seu colega espanhol, Antémar Zallaméa, lhe envia um pacote cujo conteúdo é uma laranja azul, variedade que pode crescer sobre um solo desértico. Girassol parte para a Espanha para se encontrar com Zallaméa, mas os dois acabam sendo seqüestrados. Com a ajuda de um grupo de garotos, Tintim e Haddock liberam os dois sábios, seqüestrados por um emir que queria apropriar-se do descobrimento.


Destes dois filmes foram editados dois álbuns com imagens acompanhadas de esboços.

Filmes em Animação

A idéia de fazer desenhos animados a partir das Aventuras de Tintim não é nova. Desde 1959, a Sociedade Belvision tinha começado a produzir sete desenhos animados para a televisão, como você já viu aqui anteriormente.

Após ter obtido um bom êxito comercial, a Belvision começou a produção dos longa-metragens para o cinema. Para o primeiro filme, datado de 1969, o escolhido foi O Templo do Sol, que parecia apropriado para a telona. Importantes meios técnicos foram empregados e Jacques Brel escreveu uma canção especialmente para o longa. Entretanto, importantes transformações foram feitas para o esboço original de Hergé. E mais, o conteúdo de As 7 Bolas de Cristal foi condensado ao início do filme de maneira pouco acertada. Finalmente, o resultado foi mais que decepcionante e bastante distante do trabalho de Hergé.


Em 1972 sai o segundo longa animado de Tintim, Tintim et le lac aux requins, (Tintm e o Lago dos Tubarões). Para evitar as armadilhas da adaptação de um volume, o filme se fundamenta sobre um esboço totalmente novo, do desenhista Greg. A história se desenrola quase inteiramente na Sildávia. Girassol acaba de inventar uma espécie de fotocopiadora em três dimensões, capaz de reproduzir qualquer objeto. Rastapopoulos tem acumulado obras de arte roubadas em seu esconderijo sob as águas do lago e tenta apoderar-se do aparelho. Com a ajuda de Niko e Nouchka, dois jovens sildavos, Tintim tentará desfazer seus planos.

Do filme se originou uma adaptação em quadrinhos. Mais uma vez, o resultado foi pouco convincente. Estamos muito longe do estilo de Hergé e do encanto de seus livros.

Até agora, não vimos mais as aventuras de Tintin na telona. Mas Steven Spielberg comprou os direitos de adaptação para o cinema, e em breve devemos ver o resultado. Torçamos que seja bastante fiel à obra de Georges Remi!
Fonte: Free-Tintin
Compartilhe:

terça-feira, 12 de agosto de 2008

A segunda série de TV

Les Aventures de Tintin (As Aventuras de Tintim) foi a segunda adaptação de álbuns de Hergé para a TV. Co-produzida pela Ellipse Programmé (França) e pela Nelvana (Canadá), a série tem no total 39 episódios de aproximadamente 25 minutos, sendo que apenas três não possuem continuação.

Essa nova produção foi criada em 1991, sob a direção de Peter Hudecki e Stéphane Bernasconi. A trilha sonora foi composta por Ray Parker, Jim Morgan e Tom Szczesniak, e a estréia aconteceu dia 5 de maio de 1992, no canal francês FR3.

No Brasil, a série pôde ser vista no HBO Family, canal a cabo, e na TV Cultura, onde era primeiramente transmitida em horário nobre. Quem não lembra da dobradinha Doug/Tintim?! Depois de um período fora do ar, os fãs de Tintim puderam vê-lo na Rede 21, emissora do Grupo Bandeirantes. Hoje em dia a série animada de mais sucesso do personagem não é mais exibida em TV aberta.

.: Curiosidades:

.: Todos os álbuns foram transformados em desenho animado, exceto Tintim no País dos Sovietes e Tintim no Congo, por causa da temática política e cenas fortes. Tintim e a Alfa-Arte também não entrou, visto que não chegou a ser finalizado por Hergé.

.: Hergé faz uma aparição em cada episódio da série. Ele pode ser reconhecido pelo seu grande nariz e seu cabelo loiro.

.: Nos álbuns, Milu é visto como se estivesse "falando", mas na série isso está completamente ausente - ele apenas late...

.: No episódio Os Charutos do Faraó, os Dupondt já conhecem Tintim. Mas no álbum de mesmo nome, esta esta é sua primeira aparição oficial, já que em Tintim no Congo eles ainda não conhecem o repórter.

.: Nos episódios Rumo à Lua e Explorando a Lua, foi usada animação em 3D para o foguete - técnica que ainda estava engatinhando na época (1989).

.: A série foi filmada em inglês. Muitos puristas se queixaram que o francês deveria ter sido a língua original. Mas pelo menos todos os recursos visuais (sinais de trânsito, cartazes, etc.) foram mantidos em francês.

.: Muitas cenas foram cortadas em relação ao material original dos quadrinhos. A Estrela Misteriosa, por exemplo, foi encurtada para formar um só episódio.

.: O mesmo aconteceu no episódio Tintim na América, onde os índios não aparecem, sendo que no álbum correspondente eles ocupam várias páginas.

.: A série já foi exibida em mais de 50 países. Por meio dela, as aventuras dos personagens de Hergé ficaram muito mais conhecidas, o que levou muitos a ter interesse pelos álbuns e outros assuntos relacionados ao universo Tintim.

.: Dubladores:

Personagem: Português (Brasil)/ Francês/ Inglês

Tintim: Oberdan Júnior/ Thierry Wermuth/ Colin O'Meara
Milu: // Susan Roman
Capitão Haddock: Isaac Bardavid/ Christian Pelissier/ David Fox
Professor Girassol: Orlando Drummond/ Henri Labussiere/ Wayne Robson
Dupond: Darcy Pedrosa/ Yves Barsacq/ Dan Hennessey
Dupont: Márcio Simões/ Jean-Pierre Moulin/ John Stocker
Rastapopoulos: Paulo Flores//
Bianca Castafiore: Selma Lopes //

.: Guia de episódios:

.: Primeira Temporada:

O Caranguejo das Tenazes de Ouro (parte 1)
O Caranguejo das Tenazes de Ouro (parte 2)
O Segredo do Licorne (parte 1)
O Segredo do Licorne (parte 2)
O Tesouro de Rackham, o Terrível
Os Charutos do Faraó (parte 1)
Os Charutos do Faraó (parte 2)
O Lótus Azul (parte 1)
O Lótus Azul (parte 2)
A Ilha Negra (parte 1)
A Ilha Negra (parte 2)
O Caso Girassol (parte 1)
O Caso Girassol (parte 2)

.: Segunda Temporada:

A Estrela Misteriosa
O Ídolo Roubado (parte 1)
O Ídolo Roubado (parte 2)
O Cetro de Ottokar (parte 1)
O Cetro de Ottokar (parte 2)
Tintim no Tibete (parte 1)
Tintim no Tibete (parte 2)
Tintim e os Tímpanos (parte 1)
Tintim e os Tímpanos (parte 2)
Tintim no País do Ouro Negro (parte 1)
Tintim no País do Ouro Negro (parte 2)
Vôo 714 para Sydney (parte 1)
Vôo 714 para Sydney (parte 2)

.: Terceira Temporada:

Perdidos no Mar (parte 1)
Perdidos no Mar (parte 2)
As Sete Bolas de Cristal (parte 1)
As Sete Bolas de Cristal (parte 2)
O Templo do Sol (parte 1)
O Templo do Sol (parte 2)
As Jóias da Castafiore (parte 1)
As Jóias da Castafiore (parte 2)
Rumo à Lua (parte 1)
Rumo à Lua (parte 2)
Explorando a Lua (parte 1)
Explorando a Lua (parte 2)
Tintim na América

.: Screenshots:



Com informações da Wikipedia.
Compartilhe:

Outros DVDs de Tintim no Brasil

Não é a primeira vez que episódios de "As Aventuras de Tintim" são lançados em DVD no Brasil. Há alguns anos, a distribuidora Vídeo Brinquedo lançou dois DVDs com alguns episódios da série. Confira os detalhes:

O Volume 1 traz os seguintes episódios:

O Caranguejo das Tenazes de Ouro - parte 1
O Caranguejo das Tenazes de Ouro - parte 2
Os Charutos do Faraó - parte 1
Os Charutos do Faraó - parte 2






No Volume 2, vemos:

O Segredo do Licorne - parte 1
O Segredo do Licorne - parte 2
O Tesouro de Rackham, o Terrível - parte 1
O Tesouro de Rackham, o Terrível - parte 2






São muitos os defeitos que esses 2 DVDs trazem. Primeiro que levam o título "As Aventuras de Tintin" - com "N" no final, o que muitos tintinófilos não gostam. Além disso, as artes de capa estão feias, não tendo nada a ver com o conteúdo dos discos, na contra-capa os nomes dos personagens estão escritos em inglês, e o pior: os títulos dos episódios são escritos errados (clique nas imagens para ampliar e confira)!

Enfim, essas edições são bem precárias (mas pelo menos ficava na faixa dos R$10,00), e nem mereciam ser estimadas pelos fãs, mas, na falta de coisa melhor, tínhamos que nos contentar com isso mesmo...
Compartilhe:

Vídeo de divulgação do Box

A Log On Editora Multimídia lançou no YouTube um vídeo de divulgação do box com as temporadas completas de Tintim. Na realidade, o vídeo não passa da abertura da série de TV com a seguinte imagem no final:

Clique na imagem para ver o trailer no site.
Compartilhe:

sábado, 2 de agosto de 2008

Novas informações sobre os boxes

Cada box conterá três discos, trazendo uma temporada cada. O preço, divulgado pela livraria Saraiva, é R$ 49,90 - não está muito caro!

Mais uma novidade: Além dos boxes com as três temporadas separadas, será lançado um box com todas juntas, com uma luva bem bonita (veja a imagem).

Esse box fica a R$ 129,90 pela Saraiva, podendo ser dividido no cartão.

Na minha opinião, é mais vantagem comprar o box completo, pois as temporadas separadas custam quase R$ 20,00 a mais.

Os produtos já estão à venda no site da Saraiva.
Compartilhe:

Translate

Veja também

Veja também
Site oficial de Tintim

Arquivo TPT